Logo do cabeçalho da página
MOARA – Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Letras ISSN: 0104-0944

Imagem para capa da revista

Notícias

Chamada para o n. 62 da MOARA ago-dez 2022

MULTILINGUISMOS NA AMAZÔNIA

O conceito de multilinguismo está atrelado à coexistência de distintos sistemas linguísticos em uma mesma comunidade de falantes, na qual situações políticas, históricas e pragmáticas, dentre outras, podem levar os usuários a fazerem usos diversos dos mesmos sistemas em favor de contextos específicos de interação. Sendo o Brasil um país multilíngue, em que são faladas cerca de 220 línguas (aproximadamente 180 línguas indígenas e 40 línguas de imigrantes), é extremamente relevante a discussão sobre o tema em questão, já que grande parte das línguas faladas em solo brasileiro encontra-se em situação de contato com outras, principalmente com o português, “língua nacional”. Junte-se a essa diversidade relativa ao PB, inúmeros outros contextos de uso envolvendo, por exemplo, as línguas indígenas brasileiras (LIBs), que estabelecem entre si relações próprias. Estudos voltados ao PB em suas diferentes formas de uso e de usuário têm-nos permitido, dentre outras, discussões e rótulos tais como português afro-indígena (LUCCHESI, BAXTER, RIBEIRO, 2009; CAMPOS, 2014), português língua de acolhimento (GROSSO, 2010; BIZON, DINIZ, 2018), português brasileiro em uso por populações indígenas (GOMES, 2018). No caso das LIBs, têm-nos permitido, sobretudo, questões relacionadas aos contatos linguísticos (SEKI, 1993; FRANCHETTO, 2011). Tratam-se, portanto, de múltiplas realidades linguísticas evocadas por tal diversidade, seja a partir do PB, seja a partir de outras línguas, fato que nos permite compreender de antemão a inter-relação inerente às línguas e seus usuários com outras línguas, num cenário em que línguas contêm vozes de outras (línguas) (BAKHTIN, 1992). É nessa perspectiva que estamos considerando os multilinguismos, materializados pelo PB, pelas LIBs, pelas línguas de imigrantes que circunvizinham as fronteiras amazônicas, com especial atenção Espanhol e Francês; multilinguismos pelos contatos linguísticos com impacto léxico-gramatical seja internamente a determinada língua, seja sobre múltiplas línguas. Considerando essas múltiplas realidades, o presente Dossiê busca refletir sobre o cenário atual dos estudos linguísticos voltados a diversas formas de multilinguismos presentes na Amazônia brasileira e/ou transnacional, seja levando-se em consideração o PB, seja levando-se em consideração as línguas indígenas, ou as línguas de imigrantes. Assim sendo, acolhem-se resultados parciais e/ou finais de pesquisas que tratem, não exclusivamente, de temas relacionados a Multilinguismos individuais (COOK, 2002), Multilinguismos de pequena escala (LÜPKE, 2016), Multilinguismos sociais  (GUMPERZ 1964; EPPS, 2021; STENZEL, WILLIAMS, 2021), Multilinguismos e Educação Escolar Indígena e/ou não Indígena (AMARAL, 2001; BAKER, 2006; GOMES, BARBOSA, FERREIRA, 2020; GOMES, FERREIRA, 2020).

 

Os trabalhos submetidos a esta edição integrarão o número 63, com previsão de publicação em dezembro de 2022. A submissão dos artigos deve ser realizada por meio do site da revista (https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara) até dia 05/12/2022.

 

Os textos serão aceitos em português, espanhol, francês ou inglês e devem estar de acordo com as normas de publicação da Revista.

 

Organizadores:

Antonio Almir Silva Gomes (Universidade Federal do Amapá)

Zoraide dos Anjos Gonçalves da Silva Vieira (Universidade Federal de Roraima)

Angela Fabiola Alves Chagas (Universidade Federal do Pará-Belém)

 

 

 
Publicado: 2022-09-27

Chamada para o n. 63 da MOARA, jan-jul 2023

“Pesquisas de léxico e terminologia nas dimensões teóricas e aplicadas da geossociolinguística, da linguística aplicada e da computação”
 
Publicado: 2022-09-27

n. 60 (2022): Estudos em Funcionalismo Linguístico