Cabeçalho da página

RECURSOS NATURAIS COMO ALTERNATIVA TERAPÊUTICA EM UMA PERSPECTIVA DE GÊNEROS E URBANIZAÇÃO

Sara Tavares de Sousa Machado, Cícera Norma Fernandes Lima, Cícera Ruth de Souza Machado, Paulo Felipe Ribeiro Bandeira, Cícero Damon Carvalho de Alencar, Joice Barbosa do Nascimento, Gyllyandeson de Araújo Delmondes, Marta Regina Kerntopf, Luiz Marivando Barros

Resumo

A utilização de recursos naturais com finalidades terapêuticas é uma prática consolidada em todo mundo. Em vista disso, a presente pesquisa teve por objetivo caracterizar o saber / uso de recursos naturais para o tratamento de doenças reportado por moradores de diferentes áreas na cidade de Crato, Ceará (Nordeste do Brasil). Utilizou-se do método de amostragem snow ball para composição da amostra e a partir de então, roteiros semiestruturados foram aplicados para a coleta de informações, a técnica de turnê guiada também foi empregada. Os dados foram analisados de forma qualitativa, através de nuvens de palavras, a estratégia agrupa palavras e as organiza graficamente em função da sua frequência. O enlace dos resultados demonstrou declínio de citações, de espécies medicinais e usos, demonstrando que esse conhecimento tende a ser inversamente proporcional à urbanização. Constatou-se que a amostra feminina é detentora de um vasto conhecimento empírico relacionados a recursos naturais com fins terapêuticos, sendo o uso de plantas notadamente marcante, e que, a figura feminina parece ser pouco afetada pela relação de exclusão entre os pares etnosaberes-urbanização em dimensões espaço-temporais, no entanto, tornam-se necessários novos estudos para averiguar a associação entre essas variáveis, a fim de consolidar as informações obtidas nesse estudo. Em adição, a estratégia metodológica das nuvens de palavras para sintetizar os resultados permitiu uma visualização exploratória e dinâmica das informações da pesquisa, otimizando o cunho qualitativo deste estudo.


Palavras-chave

Etnobiologia; Nuvens de palavras; Medicina alternativa; Conhecimento empírico; Urbanização; Ecologia humana.


Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, C. Caiçaras na Mata Atlântica: pesquisa versus planejamento e gestão ambiental. São Paulo: Annablume (FAPESP), 2000. 276 p.

ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; NETO, E. M. F. L. 2008. Seleção e escolha dos participantes da pesquisa. In: Albuquerque, U. P.; Lucena, R. P. & Cunha, L.V.F.C. (orgs.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica - 2ª edição. Recife: NUPEEA, p.21-40.

ALEXIADES, M.N. 1996. Collecting Ethnobotanical Data: An introduction to basic concepts and techniques. In: ALEXIADES, M.N. (Ed.). Selected guidelines for ethnobotanical research: a field manual. Nova York: New York Botanical Garden, p.54: 93.

ALVES, R. R. N.; GONÇALVES, M. B. R.; VIEIRA W. L. S. Caça, uso e conservação de vertebrados no semiárido Brasileiro. Tropical Conservation Science, v. 5, n. 3, p. 394-416, 2012.

ALVES, R.R.N.; ALVES, H.N. The faunal drugstore: Animal-based remedies used in traditional medicines in Latin America. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, v. 7, p. 9, 2011.

AMOROZO, M.C.M. 2013. Sistemas agrícolas de pequena escala e a manutenção da agrobiodiversidade - uma revisão e contribuições. Rio Claro, SP: Edição do autor; Botucatu: FCA – UNESP. 120p.

ANDRADE, S. E. O.; MARACAJA, P. B.; SILVA, R. A.; FREIRES, G. F., MACENA, A. P.; FERNANDES, A. A. Estudo sobre o uso do mel de abelha associado com plantas medicinais na comunidade Várzea Comprida dos Oliveiras, Pombal, Paraíba, Brasil. Agropecuária científica no semiárido, v. 8, n. 3, p. 45-50, 2012.

ARBEX, M. A.; SANTOS, U. D. P.; MARTINS, L. C.; SALDIVA, P. H. N.; PEREIRA, L. A. A.; BRAGA, A. L. F. A poluição do ar e o sistema respiratório. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 38, p. 643-655, 2012.

ARISTIZABAL, A. S.; HAYASHI, A. M.; MATERA, J. M. Uso do mel orgânico tópico no tratamento de queimadura de terceiro grau em cão: relato de caso. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 14, n. 1, p. 12-17, 2016.

ASSINE, M. L. Análise estratigráfica da bacia do Araripe, Nordeste do Brasil. Brazilian Journal of Geology, v. 22, n. 3, p. 289-300, 1992.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Rio de Janeiro: Edições 70, 1977. 229 p.

BASTIDA, A. C. F.; COSTA ALBUQUERQUE, G. L.; SILVEIRA, M. S.; MAZORQUE, M. Q. F.; LOBÃO, L. M. Uso de Fitoterápicos e Plantas Medicinais na Prática Clínica. Saúde dinâmica, v. 1, n. 1, 2019.

BEGOSSI, A. Ecologia humana: um enfoque das relações homem-ambiente. Interciência, v.18, n. 1, p.121-132, 1993.

BELTRÃO, I. C. S. L.; DA SILVA, L. G.; SANTOS SANTIAGO, J. C.; BARBOSA, R.; KERNTOPF, M. R.; FERNANDES, G. P. Saberes Populares Sobre a Utilização de Recursos Naturais para Tratamento de Doenças na Infância em Barbalha, Ceará, Brasil. Ensaios e Ciência C Biológicas Agrárias e da Saúde, v. 24, n. 3, p. 310-316, 2020.

BEVILAQUA, G. A. P.; SCHIEDECK, G.; SCHWENGBER, J. E. Identificação e tecnologia de plantas medicinais da flora de clima temperado. Embrapa Clima Temperado-Circular Técnica (INFOTECA-E), 2007.

BITTENCOURT, S. C.; CAPONI, S.; FALKENBERG, M. B. O uso das plantas medicinais sob prescrição médica: pontos de diálogo e controvérsias com o uso popular. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 12, p. 89-91, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). 2012. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466/12. 12 de dezembro de 2012. Estabelece critérios sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF). Acesso em: http: //bvsmc.saude.gov.br/bvc/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 19 out. 2021.

BRITO, L. S. M.; PERINOTTO, A. R. C. Difusão da ciência no Geopark Araripe, Ceará, Brasil. Anuário do Instituto de Geociências. Rio de Janeiro, v. 35, n. 1, p. 42-48, 2012.

CABRAL, I. E.; TYRRELL, M. A. R. O estilo de cuidar da mãe e o trabalho da enfermagem. Revista de Enfermagem UERJ. v 3, p. 189, 1995.

CAJAIBA, R. L.; SILVA, W. B.; SOUSA, R. D. N.; DE SOUSA, A. S. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais comercializadas no município de Uruará, Pará, Brasil. Biotemas, v. 29, n. 1, p. 115-131, 2016.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, v. 21, n. 2, p. 513-518, 2013.

CARNIELLO, M. A.; SILVA, R. D. S.; CRUZ, M. A.; GUARIM NETO, G. Quintais urbanos de Mirassol D'Oeste-MT, Brasil: uma abordagem etnobotânica. Acta Amazonica, v. 40, p. 451-470, 2010.

CEOLIN, T.; HECK, R. M.; BARBIERI, R. L.; SCHWARTZ, E.; MUNIZ, M.; PILLON, M. M. Plantas medicinais: transmissão do conhecimento nas famílias de agricultores de base ecológica no Sul do RS. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, p. 47-54, 2011.

CODAGNONE NETO, V.; GARCIA, V. P.; SANTA HELENA, E, T. Possible pharmacological interactions in hypertensive and/or diabetic elderly in family health units at Blumenau (SC). Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences. v. 46, n. 4, p.795-804, 2010.

COSTA NETO, E.M.; MARQUES, J.G.W. Introdução à etnoentomologia: considerações metodológicas e estudo de casos. Feira de Santana: UEFS, 2000.

COSTA, J. C.; MARINHO, M. G. V. Etnobotânica de plantas medicinais em duas comunidades do município de Picuí, Paraíba, Brasil. Revista Brasileira De Plantas Medicinais, p. 125-134, 2016.

CUERRIER, A.; TURNER, N. J.; GOMES, T. C.; GARIBALDI, A.; DOWNING, A. Cultural keystone places: conservation and restoration in cultural landscapes. Journal of Ethnobiology, v. 35, n. 3, p. 427-448, 2015.

DURÃO, H. L. G.; COSTA, K. G.; MEDEIROS, M. Etnobotânica de plantas medicinais na comunidade quilombola de Porto Alegre, Cametá, Pará, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi-Ciências Naturais, v. 16, n. 2, p. 245-258, 2021.

ENIOUTINA, E. Y.; SALIS, E. R.; JOB, K. M.; GUBAREV, M. I.; KREPKOVA, L. V.; SHERWIN, C. M. Herbal Medicines: challenges in the modern world. Part 5. status and current directions of complementary and alternative herbal medicine worldwide. Expert review of clinical pharmacology, v. 10, n. 3, p. 327-338, 2017.

FEIJÓ, E. V. R. S.; PEREIRA, A. S.; SOUZA, L. R.; SILVA, L. A. M.; COSTA, L. C. B. Levantamento preliminar sobre plantas medicinais utilizadas no bairro Salobrinho no município de Ilhéus, Bahia. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 15, p. 595-604, 2013.

FEINERER, I.; HORNIK, K.; MEYER, D. Text Mining Infrastructure in R. Journal of Statistical Software, v. 25, p. 1-54, 2008.

FELLOWS, I. Wordcloud: Word Clouds. R package version 2.5, 2014. URL: https: //cran.r-project.org/web/packages/wordcloud/index.html.

FERREIRA, F. S.; ALBUQUERQUE, U. P.; COUTINHO, H. D. M.; ALMEIDA, W. D. O.; ALVES, R. R. D. N. The Trade in Medicinal Animals in Northeastern Brazil. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 2012, p. 1-20, 2012.

FERREIRA, F. S.; BRITO, S. V.; COSTA, J. G.; ALVES, R. R.; COUTINHO, H. D.; ALMEIDA, W. D. O. Is the body fat of the lizard Tupinambis merianae effective against bacterial infections? Journal of Ethnopharmacology, v. 126, p. 233-237, 2009.

FORTES, J. A. M. S.; SANTOS, L. S.; MORAES, S. D. S. Percepção de mães sobre o uso de práticas integrativas e complementares em seus filhos. Enfermagem em Foco, v. 5, n. 1/2, p. 37-40, 2014.

FRANÇA, T. J. T. Análise ergonômica do trabalho de um pintor de uma fábrica de usinagem e torneamento. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Minas Gerais como requisito para a obtenção de Especialização em Ergonomia. 2013.

GOMES, N. S.; LIMA, J. P. S. Uso e comercialização de plantas medicinais em Humaitá, Amazonas. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 12, n. 1, 2017.

GONÇALVES, Z. L. T.; CABRAL, M. I. A.; NEVES, T. M.; SANTOS, C. A. B.; SOUZA NOGUEIRA, E. M. Sociedades tradicionais e conservação da natureza. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 13, n. 4, p. 79-86, 2018.

GOODMAN, L. A. Snowball sampling. The Annals Of Mathematical Statistics, p. 148-170, 1961.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 1981.

IBANEZ, G.; MERCEDES, B. P. D. C.; VEDANA, K. G. G.; MIASSO, A. I. Adesão e dificuldades relacionadas ao tratamento medicamentoso em pacientes com depressão. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 67, p. 556-562, 2014.

IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades (Informações sobre os municípios brasileiros). Disponível em: https//cidades.ibge.gov.br/brasil/ ce/crato/panorama. Acesso em: 19 out. 2021.

INTA, A.; TRISONTHI, P.; TRISONTHI, C. Analysis of traditional knowledge in medicinal plants used by Yuan in Thailand. Journal of ethnopharmacology, v. 149, n. 1, p. 344-351, 2013.

IPECE: Instituto de pesquisa e estratégia econômica do Ceará. Perfil municipal 2017 (Crato). Disponível em: https://www.ipece.ce.gov.br/perfil-municipal/. Acesso em: 19 out. 2021.

KHAN, N.; MUKHTAR, H. Tea polyphenols for health promotion. Life Science, v. 81, n. 7, p. 519-533, 2007.

LADIO, A.; ALBUQUERQUE, U. Etnobiologia Urbana. In: Introdução à Etnobiologia. Recife, PE: NUPEEA, 2014.

LEITE, I. A.; MORAIS, A. M.; CARNEIRO, R. G.; LEITE, C. A. A etnobotânica de plantas medicinais no município de São José de Espinharas, Paraíba, Brasil. Biodiversidade, v. 14, n. 1, 2015.

LIMA, A. R. A.; VASCONCELOS, M. K. P.; BARBIERI, R. L.; HECK, R. M. Medicinal plants used by octogenarians and nonagenarians from a small village in Rio Grande/RS, Brazil. Journal of Nursing and Health. UFPE, v. 5, n. 6, p. 1329-336, 2011.

LIMA, M. A.; BERNUSSE, M. M.; GENARO, S. C. Efeitos colaterais de medicamentos utilizados por pacientes oncológicos e sua relação com o estado nutricional medicamentos e estado nutricional. In: Colloquium Vitae. 2017.

MACHADO, S. T. S.; BATISTA, P. R.; SOUSA, J. P.; SILVA ROSA, A. G.; SANTOS, A. D. F.; KERNTOPF, M. R. Depoimentos sociais sobre o uso de plantas medicinais no tratamento da dor. Ethnoscientia: Revista Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia, v. 6, n. 1, p. 188-204, 2021.

MAGALHÃES, S. A.; LIMA, R. A.; DOS SANTOS, M. R. A. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no município de Vilhena-RO. In: Embrapa Rondônia-Resumo em anais de congresso (ALICE). In: SIMPÓSIO IBEROAMERICANO DE PLANTAS MEDICINAIS, 5., 2010, Itajaí. Posters. Itajaí: Univali, 2010., 2010.

MAROTTI, J.; GALHARDO, A. P. M.; FURUYAMA, R. J.; PIGOZZO, M. N.; CAMPOS, T. N.; LAGANÁ, D. C. Amostragem em pesquisa clínica: tamanho da amostra. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo, v. 20, n. 2, p. 186-194, 2008.

MATA, M. D. S.; COSTA, F. A. D.; SOUZA, T. O. D.; MATA, Á. N. D. S.; PONTES, J. F. Dor e funcionalidade na atenção básica à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 221-230, 2011.

MEDEIROS, P. M.; LADIO, A. H.; ALBUQUERQUE, U. P. Sampling problems in Brazilian research: a critical evaluation of studies on medicinal plants. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 24, n. 2, p. 103-109, 2014.

MEDEIROS, P. M.; LADIO, A. H.; ALBUQUERQUE, U. P. Patterns of medicinal plant use by inhabitants of Brazilian urban and rural areas: a macroscale investigation based on available literature. Journal of ethnopharmacology, v. 150, n. 2, p. 729-746, 2013.

MELLO, C. H. M. S. A valorização dos aspectos culturais da população como estratégia para melhorar a adesão da comunidade às ações de promoção de saúde e prevenção de doenças. Revista Aurora, v. 5, p. 9-24, 2012.

MILLION, J. L.; VERON, V.; VILHARVA, K. N.; CÁCERES, N. V.; OLIVEIRA, R. C. Plantas medicinais e ritualísticas dos Kaiowá do Tekoha Taquara como contribuição para a demarcação da terra ancestral, Mato Grosso do Sul, Brasil. Rodriguésia, v. 71, 2020.

NETO, L. A. G.; GOMES, F. T. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela população do município de Oliveira Fortes-MG. Biológicas & Saúde, v. 8, n. 27, 2018.

OLIVEIRA, J. C. A.; ABREU, R. C. Resgatando a história de uma cidade média: Crato capital da cultura. Revista Historiar, v. 2, n. 2, 2010.

OMAR, S.; LEMONNIER, B.; JONES, N.; FICKER, C.; SMITH, M. L.; NEEMA, C.; ARNASON, J. T. Antimicrobial activity of extracts of eastern North American hardwood trees and relation to traditional medicine. Journal of ethnopharmacology, v. 73, n. 1-2, p. 161-170, 2000.

PALMER, C. T. The inclusion of recently introduced plants in the Hawaiian ethnopharmacopoeia. Economic Botany, v. 58, n. 1, p. S280-S293, 2004.

PILLA, M. A. C.; AMOROZO, M. C. M.; FURLAN, A. Obtenção e uso das plantas medicinais no distrito de Martim Francisco, Município de Mogi-Mirim, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 20, p. 789-802, 2006.

PINTO, E. P. P.; AMOROZO, M. C. M.; FURLAN, A. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica-Itacaré, BA, Brasil. Acta botanica brasilica, v. 20, p. 751-762, 2006.

PIRES, I. F. B.; SOUSA, A. A.; ALMEIDA LIMA, C.; COSTA, J. D.; FEITOSA, M. H. A.; MELO COSTA, S. Plantas medicinais: cultivo e transmissão de conhecimento em comunidade cadastrada na Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, v. 18, n. 4, p. 37-45, 2016.

POLÈSE, M.; BARRAGÁN, C. Economía urbana y regional: introducción a la relación entre territorio y desarrollo. Ucol, 1998.

POLÈSE, M. Economia Urbana e Regional: lógica espacial das transformações económicas, 1. ª edição. Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional/Instituto de Estudos Regionais e Urbanos (APDR/IERU), Coimbra, 1998.

RODRIGUES, M. L.; CAMPOS, C. E. A.; SIQUEIRA, B. A. A fitoterapia na Atenção Primária à Saúde segundo os profissionais de saúde do Rio de Janeiro e do Programa Mais Médicos. Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário, v. 9, n. 4, p. 28-50, 2020.

RODRIGUES, J. K.; TELES, E. A. Uso místico–religioso da fauna comercializada em feiras livres nos municípios de Crato e Juazeiro do Norte, Ceará, Nordeste do Brasil. Etnobiologia, v. 11, n. 3, p. 28-33, 2013.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. Editora HUCITEC. São Paulo, 1993. p. 176.

SANTOS, E. Q.; DA SILVA COSTA, J. F.; SILVA PEREIRA, M. D. G.; COSTA, J. M.; SOUSA, R. L. Etnobotânica da flora medicinal de quintais na comunidade Mamangal, Rio Meruú, Igarapé-Miri, Pará. Scientia Plena, v. 15, n. 5, 2019.

SANTOS, J. J. F.; COELHO-FERREIRA, M; LIMA, P. G. C. Etnobotânica de plantas medicinais em mercados públicos da Região Metropolitana de Belém do Pará, Brasil. Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota), v. 8, n. 1, p. 1-9, 2018.

SANTOS, R. S.; MOTA, L. H. S.; MARQUES, B. C.; REIS, L. B.; SILVA, C. F.; LIMA, D. A. C.; AMOR, A. L. M. Uso regular de plantas medicinais para fins terapêuticos em famílias residentes na zona rural de Santo Antônio de Jesus–Bahia–Brasil. Journal of Health & Biological Sciences, v. 5, n. 4, p. 364-370, 2017.

SENICATO, C.; LIMA, M. G.; BARROS, M. B. A. Ser trabalhadora remunerada ou dona de casa associa-se à qualidade de vida relacionada à saúde?. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, p. e00085415, 2016.

SILVA NETO, B. Perda da vegetação natural na Chapada do Araripe (1975/2007) no estado do Ceará. 2013. Dissertação. Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 2013.

SILVA, A. L. Animais medicinais: conhecimento e uso entre as populações ribeirinhas do rio Negro, Amazonas, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 3, p. 343-357, 2008.

SILVA, A. N; COELHO, M. F. B.; CAMILI, E. C. Diversidade e uso de plantas em quintais do Bairro Nossa Senhora Aparecida em Cuiabá, Mato Grosso. Nativa, v. 9, n. 3, p. 327-336, 2021.

SILVA, M. D. P.; MARINI, F. S.; MELO, R. S. Levantamento de plantas medicinais cultivadas no município de Solânea, agreste paraibano: reconhecimento e valorização do saber tradicional. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 17, p. 881-890, 2015.

SILVA, N.C.B.; REGIS, A.C.D.; ESQUIBEL, M.A.; SANTOS, J.E.S.; ALMEIDA, M.Z. Uso de plantas medicinais na comunidade quilombola da Barra II: Bahia, Brasil. Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y aromáticas, v. 11, n. 5, p. 435-453, 2012.

SILVA, W. B.; CAJAIBA, R. L.; MAURICIO, M. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do município de Uruará, estado do Pará, Brasil. Revista Cubana de Plantas Medicinales, v. 22, n. 4, 2018.

SILVA, W. B.; CAJAIBA, R. L.; PARRY, M. M. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do município de Uruará, estado do Pará, Brasil. Revista Cubana de Plantas Medicinales, v. 22, n. 4, 2018.

SOUTO, W.M.S.; BARBOZA, R.R.D.; ROCHA, M.S.P.; ALVES, R.R.N.; MOURÃO, J.S. Animal-based medicines used in ethnoveterinary practices in the semi-arid region of Northeastern Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 84, n. 3, p. 669-678, 2012.

SOUTO, W.M.S.; MOURÃO, J.S.; BARBOZA, R.R.D.; ALVES, R.R.N Parallels between zootherapeutic practices in ethnoveterinary and human complementary medicine in northeastern Brazil. Journal of Ethnopharmacology, v. 134, n. 3, p. 753-767, 2011.

SOUZA, A. N. J.; SOUZA BULHÕES, R.; DOCIO, L. Conexões homem-animal: caracterização do conhecimento etnozoológico de uma comunidade rural no nordeste do brasil. Etnobiologia, v. 13, n. 3, p. 38-53, 2015.

TORRES-AVILEZ, W.; MEDEIROS, P. M.; ALBUQUERQUE, U. P. Effect of gender on the knowledge of medicinal plants: systematic review and meta-analysis. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 2016, 2016.

ULYSSÉA, M. A.; HANAZAKI, N.; LOPES, B. C. Percepção e uso dos insetos pelos moradores da comunidade do Ribeirão da Ilha, Santa Catarina, Brasil. Biotemas, v. 23, n. 3, p. 191-202, 2010.

VALENZUELA, B. El Consumo te y la salud: características y propiedades benéficas de esta bebida milenária. Revista chilena de nutrición, v. 31, n. 2, p. 72-82, 2004.

VANDEBROEK, I.; VAN DAMME, P.; VAN PUYVELDE, L.; ARRAZOLA, S.; KIMPE, N. A. Comparison of traditional healers’ medicinal plant knowledge in the Bolivian Andes and Amazon. Social Science & Medicine, v. 59, n. 4, p. 837-849, 2004.

VEIGA JUNIOR, V. F. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 2, p. 308-313, 2008.

VIEIRA, N. R. Poluição do ar: indicadores ambientais. Editora E-papers, 2009.

VIU, A. F. M; VIU, M. A. O.; CAMPOS, L. Z. O. Etnobotânico: uma questão de gênero? Revista Brasileira de Agroecologia , v. 5, n. 1 p. 138-147, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/ethnoscientia.v7i1.11172

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Ethnoscientia - Brazilian Journal of Ethnobiology and Ethnoecology

             

ISSN 2448-1998