Cabeçalho da página

CONSERVAÇÃO DA SOCIOBIODIVERSIDADE NA RESEX CHICO MENDES, ACRE: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

Málika Simis Pilnik, Clara Carvalho de Machado, Luana Fowler, Bianca Minink Villa, Ricardo Gomes Ribeiro, Lin Chau Ming

Resumo

A Reserva Extrativista Chico Mendes (RESEX CM) surgiu em contraponto ao modelo de desenvolvimento agropecuário idealizado para a Amazônia na década de 1960. Possui como fundamento as reivindicações de populações extrativistas, cujo cerne é o uso e manejo adequado dos recursos naturais associado à geração de renda e à garantia de permanência nos territórios. Contudo, devido à falta de investimentos e infraestrutura para o escoamento e comercialização dos produtos da biodiversidade, moradores da RESEX implementaram a pecuária em parte das áreas produtivas. Além de gerar impactos negativos à paisagem florestal, esta atividade não condiz, a médio e longo prazo, com o modo de vida extrativista. Diante desta contradição, nosso estudo dedica-se a registrar como moradores de uma das comunidades da RESEX interpretam o cenário atual e quais as possíveis estratégias de inovação. O estudo foi desenvolvido por meio das metodologias participativas FOFA, “rio da vida” e mapa mental. Constatamos as transformações históricas, econômicas, socioculturais e ambientais que vêm ocorrendo desde o período da borracha (final do século XIX) até o momento. Quanto aos desafios enfrentados pela comunidade, destacamos a luta de alguns núcleos familiares contra a implementação da pecuária extensiva e consequente desmatamento exacerbado, assim como conflitos relacionados a retirada clandestina de madeira e caça ilegal por invasores. Já no que se refere às perspectivas dos comunitários participantes, observamos o interesse por uma organização socioeconômica estruturada, a partir de ferramentas como associativismo e cooperativismo. Junto aos comunitários, detectamos a importância do selo de identificação geográfica e do fortalecimento de cadeias de valor já existentes, como também a necessidade de fomentar novas oportunidades de renda através de produtos regionais agroecológicos e produtos florestais não-madeireiros.


Palavras-chave

Uso e manejo dos recursos naturais; Produtos florestais não madeireiros; Associativismo; Sociobiodiversidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. da S. Terra, A Briga Para Ser Dono: Conflitos Agrários No Seringal Nova Empresa No Ano De 1970. Das Amazônias, Rio Branco, v.3, n.2, p. 113-128, 2020. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

ALMEIDA, M. W. et al. Usos tradicionais da floresta por seringueiros na Reserva Extrativista do Alto Juruá. In: SIVIERO, A. et al. Etnobotânica e Botânica Econômica do Acre. Rio Branco: EDUFAC, 2016. P. 14-37.

ALMEIDA, M. W. et al. O legado de Chico Mendes: êxitos e entraves das Reservas Extrativistas. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 48, edição especial: 30 Anos do Legado de Chico Mendes, p. 25-55, 2018. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

ALVES, R. N. B. & MODESTO, M. D. S. Roça sem fogo: da tradição das queimadas à agricultura sustentável na Amazônia. Brasília-DF: Embrapa Amazônia Oriental, livro técnico (CPATU), 2020. 184p.

ANDRADE, F. A. V. & LIMA, V. T. A. Gestão participativa em unidades de conservação: uma abordagem teórica sobre a atuação dos conselhos gestores e participação comunitária. Revista Eletrônica Mutações, v. 7, n. 13, p. 021-040, 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2021.

AQUINO, T. D.; IGLESIAS, M. P. Kaxinawá do rio Jordão: História, território, economia e desenvolvimento sustentado. Rio Branco: Comissão Pró-Índio do Acre, Gráfica Kene Hiwe, 1994. 456p.

ARAÚJO, M. G.; SCHWAMBORN, S. H. L. A Educação Ambiental em análise SWOT. Ambiente & Educação - Revista de Educação Ambiental, Rio Grande, v.18, n.2, p.183-208, 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

ASWANI, S. et al. Global trends of local ecological knowledge and future implications. PLoS ONE, Michigan, v. 13, n. 4, p. 1-19, 2018. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

BARROS, L. P. et al. Etnomapeamento como instrumento de apoio à classificação da tipologia florestal nas terras indígenas Uaçá, Galibi e Juminã, no estado do Amapá. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 16a. ed., 2013, Foz do Iguaçu. Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2013, p.13-18.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

CAMPOS-SILVA, J.V et al. Community-Based Management of Amazonian Biodiversity Assets. In: Baldauf C. (eds) Participatory Biodiversity Conservation. Springer, Cham. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

CARNEIRO DE ARAÚJO, E. A formação da sociedade econômica do Acre: “Sangue” e “Lodo” no surto da borracha (1876-1914). Rio Branco: EaC Editor, 2015. 132p.

CARNEIRO DA CUNHA, M.; ALMEIDA, M. B. Enciclopédia da Floresta: o Alto Juruá: práticas e conhecimentos das populações. São Paulo: Cia. das Letras. 2002. 735p.

FERIGATO E. et al. Desmatamento da Amazônia Brasileira. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, São Paulo, v.11, n.1, 2021. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

FOWLER, L. Conhecimento, uso e manejo de plantas alimentícias na Terra Indígena Poyanawa, Alto Juruá, Acre, Brasil. 2020. 135 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura no Trópico Úmido) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus.

FRANCO, M. P. Os Milton: cem anos de história familiar nos seringais. 2001. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas. (UNICAMP).

FRANCO, A. O.; SAHR, C. L. L. Modo De Vida Em Transformação Em Áreas De Uso Sustentável: O Caso Do Seringal Nova Esperança. Revista NUPEM, Campo Mourão, v.11, n.22, p.80-91, 2019. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

GAVAZZI, R. A. O papel dos agentes agroflorestais indígenas na Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas no estado do Acre. Brasília: CPI/AC, 2016. 33p.

GODOY, R. et al. Of trade and cognition: Markets and the loss of folk knowledge among the Tawahka indians of the Honduran Rain Forest. Journal of Anthropological Research, New Mexico, v. 54, n. 2, p. 219-234, 1998. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

HERCULANO, S. C. A qualidade de vida e seus indicadores. In: HERCULANO et al. Qualidade de Vida e Riscos Ambientais. Niterói: Eduff, 2000, p.219-246.

IBAMA. Plano de Manejo Reserva Extrativista Chico Mendes.

MASCARENHAS, F. et al. Desmatamento e incêndios florestais transformando a realidade da Reserva Extrativista Chico Mendes. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 48, edição especial: 30 Anos do Legado de Chico Mendes, p.236-262, 2018. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

MEDINA, G. & BARBOSA, C. W. S. A questão produtiva nas Reservas Extrativistas. Novos Cadernos NAEA, v. 19, n. 2, 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2021.

MMA/IBAMA. Plano de Manejo da Reserva Extrativista Chico Mendes. Xapuri, 2006. 91p. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2021.

PANTOJA, M. C., et al. A presença do gado em reservas extrativistas: algumas reflexões. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v.6, n.12, p.115-130, 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

PONTE, K. F. O Trabalho Através de Uma Política Pública: O Caso dos Seringueiros Envolvidos na Fábrica de Preservativos Masculinos de Xapuri/AC. Pegada – A revista da Geografia do Trabalho, Presidente Prudente, 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

RÊGO, J. F. Amazônia: do extrativismo ao neoextrativismo. Ciência Hoje, v.25, n.147, p.62-65, 1999. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

SANTOS, R. História Econômica da Amazônia (1800-1820). São Paulo: T. A. Queiroz, Editor, Ltda, 1980. 428p.

SILVA, R. G. D. C., et al. Fronteira, direitos humanos e territórios tradicionais em Rondônia (Amazônia Brasileira). Revista de Geografía Norte Grande, v. 77, p. 253-271, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2021.

TARAPANOFF, K. Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora da UnB, 2001. 344p.

TRIVELLATO, C. A agricultura das famílias seringueiras: caracterização de roçados na Reserva Extrativista Chico Mendes - Acre. In: MING, L. C. Experiências Etnobotânicas na Reserva Extrativista Chico Mendes. Botucatu: Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais, 2018, p.127-141.

VASCONCELOS, A. Í. T. et al. As dimensões da sustentabilidade dos Sistemas Agroflorestais–SAFs: um estudo no Projeto de Reflorestamento Consorciado e Adensado–RECA, Ponta do Abunã–RO. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v.36, 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.

VELTHEM, L. H.; KATZ, E. A 'farinha especial': fabricação e percepção de um produto da agricultura familiar no vale do Rio Juruá, Acre. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Ciências Humanas, Dossiê Agriculturas Amazônicas. Belém, v.7, n.2, p.435-456, 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/ethnoscientia.v7i1.11046

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Ethnoscientia - Brazilian Journal of Ethnobiology and Ethnoecology

             

ISSN 2448-1998