Cabeçalho da página

QUE PLANTA TE IMPORTA? UM RELATO DE CASO SOBRE O SIGNIFICADO DAS PLANTAS PARA AS PESSOAS

Ana Boeira Porto, Valmir Luiz Bittencourt, Filipe Ferreira da Silveira, Tatiana Mota Miranda

Resumo

Apresentamos neste trabalho um relato de caso sobre a análise de uma pesquisa exploratória desenvolvida no contexto de uma disciplina de Etnobotânica inserida no Programa de Pós-Graduação em Botânica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O objetivo do relato é instigar e discutir a relação existente entre seres humanos e plantas, a partir da investigação narrativa dos sujeitos. Partindo da perspectiva etnobotânica, apoiados nos estudos das interações simbólicas e culturais que esta ciência proporciona, analisamos as respostas de um grupo de 30 pessoas à seguinte pergunta: “qual a primeira planta que vem à tua cabeça quando te pergunto: me diz uma planta importante para ti e por quê?”. As espécies citadas foram classificadas em nativas ou exóticas. As justificativas dadas pelos entrevistados para a escolha das espécies citadas apresentaram um padrão que categorizamos em: Afetivo, Espiritual, Ecológico e Utilitário. O valor Utilitário dominou as respostas, seguido do valor Afetivo. As plantas apresentaram significados únicos para cada sujeito analisado e, por vezes, esses significados e justificativas para suas escolhas os conectam profundamente com seu senso de identidade. Conceitos como memória botânica e cegueira botânica estão envolvidos na compreensão acerca das percepções desses sujeitos com relação às plantas citadas. Apenas 7,7% das espécies citadas são nativas do estado do Rio Grande do Sul. O baixo número de espécies nativas citadas é visto por nós como um resultado histórico e cultural.


Palavras-chave

Espécies exóticas; Etnobotânica urbana; Investigação narrativa; memória botânica


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P.; MONTEIRO, J. M.; RAMOS, M. A.; AMORIM, E. L. C. Medicinal and magic plants from a plubic market in northeastern Brazil. Journal of Ethno-Pharmacology, v. 110, p. 76-91, 2007.

ALEXIADES, M. N. An introduction to basic concepts and techniques. In: ALEXIADES, M. N. Selected Guidelines for Ethnobotanical Research: A Field Manual. New York: New York Botanical Garden, 1996. p. 53-94.

ALVES, K. C. H.; POVH, J. A.; PORTUGUEZ, A. P. Etnobotânica de plantas ritualísticas na prática religiosa de matriz africana no município de Ituiutaba, Minas Gerais. Ethnoscientia, v. 4, n. 1, 2019. Disponível em: <10.22276/ethnoscientia.v4i1.239>. Acesso em: 25 ago 2020.

BUBLITZ, J. História ambiental da colonização alemã no Rio Grande do Sul: o avanço na mata, o significado da floresta e as mudanças no ecossistema. Tempos Históricos, v. 15, p. 239-267, 2011.

CLANDININ, J. D.; CONNELLY, M. F. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. Revista de Educação Pública, v. 21, n. 47, p. 663-667, 2012.

EATON, M. M. Fact and Fiction in the Aesthetic Appreciation of Nature. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, v. 56, n. 2, p. 149-56, 1998. Disponível em: <10.2307/432253>. Acesso em: 25 ago 2020.

EICHEMBERG, M. T.; AMOROZO, M. C. M.; MOURA, L. C. Composição de espécies e uso de plantas em quintais urbanos antigos de Rio Claro, Sudeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 23, 2009. Disponível em: < https://doi.org/10.1590/S0102-33062009000400016>. Acesso em: 30 set 2020.

FUDGE, R.S. Imagination and the Science‐Based Aesthetic Appreciation of Unscenic Nature. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, v. 59, p. 275-285, 2001. Disponível em: <10.1111/1540-6245.00025>. Acesso em: 25 ago 2020.

HEIDEN, G.; STUMPF, E.R.T.; IGANCI, J.R.V.; CORRÊA, L.B; PERLEBERG, T.D.; ROMANO, C.M.; BARBIERI, R.L. Plantas ornamentais nativas. In: STUMPF, E.R.T.; BARBIERI, R.L.; HEIDEN, G. (Org). Cores e formas no Bioma Pampa – plantas ornamentais nativas. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2009. p. 50-253.

KAPLAN, R. The Psychological Benefits of Nearby Nature. In: RELD, D. The Role of the Horticulture in Human and Social Development. Arlington: Timber Press, 1992. Vol. 6, p. 125-136.

LEITÃO F.; FONSECA-KRUEL, V. S.; SILVA, I. M.; REINERT, F. Urban ethnobotany in Petrópolis and Nova Friburgo (Rio de Janeiro, Brazil). Brazilian Journal of Pharmacognosy, v. 19, p. 333-342, 2009.

MIRANDA, T. M.; AMOROZO, M. C. M.; GOVONE, J. S.; MIRANDA, D. M. The influence of visual stimuli in ethnobotanical data collection using the listing task method. Field Methods. v. 19 (1), p. 76 – 86, 2007.

MIRANDA, T. M.; HANAZAKI, N. Conhecimento e uso de recursos vegetais de restinga por comunidades das ilhas do Cardoso (SP) e de Santa Catarina (SC), Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 22, p. 203-215, 2008.

MOREIRA, V. M. L. Índios no Brasil: marginalização social e exclusão. Diálogos Latinoamericano, v. 3, p. 87-113, 2001.

ODUM, E. P.; BARRETT, G. W. Fundamentos de Ecologia. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 612 p.

PRADO, A. C. C.; RANGEL, E. B.; SOUSA, H. C.; MESSIAS, M. C. T. B. Etnobotânica como subsídio à gestão socioambiental de uma unidade de conservação de uso sustentável. Rodriguésia, 70: e02032017. 2019. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/2175-7860201970019>. Acesso em: 30 set. 2020.

ROLSTON, H. From Beauty to Duty: Aesthetics of Nature and Environmental Ethics. In: BERLEANT, A. Environment and the Arts: Perspectives on Environmental Aesthetics 127-141. Aldershot Hampshire: Ashgate Publishing, 2002. p. 127-141.

RICHARDSON, D.M.; PYSEK P.; REJMANEK, M.; BARBOUR, M.G.; PANETTA, D.; WEST, C.J. Naturalization and invasion of alien plants: concepts and definitions. Biodiversity Research, v. 6, p. 93-107, 2000.

RYAN, J. C. Botanical memory: Exploring emotional recollections of native flora in the Southwest of Western Australia. Emotion, Space and Society, v. 8, p. 27-38, 2012.

SALATINO, A. Nós e as plantas: ontem e hoje. Revista Brasileira de Botânica, v. 24, n. 4, p. 483-490, 2001.

SALATINO, A.; BUCKERIDGE, M. Mas de que te serve sabre botânica? Estudos avançados, v. 30, n. 87, p. 177-196, 2016.

SILVA, V. A.; NASCIMENTO, V. T.; SOLDATI, G. T.; MEDEIROS, M. F. T.; ALBUQUERQUE, U. P. Técnicas para análise de dados etnobiológicos. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; FERNANDES, L. V. (org.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. Recife: NUPPEA, 2010. p. 189-206.

TROPICOS.ORG. MISSOURI BOTANICAL GARDEN. Disponível em: http://www.tropicos.org. Acesso em: 30 set 2020.

ULRICH, RS. View through a window may influence recovery from surgery. Science, v. 224, n. 4647, p. 420-421, 1984.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. 1. ed. Porto Alegre: Penso, 2016. 336 p.

ZILLER, S. R. Plantas exóticas invasoras: a ameaça da contaminação biológica. Revista Ciência Hoje, v. 30, n. 178, p. 77-79, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.18542/ethnoscientia.v6i1.10467

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Ethnoscientia: Revista Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia

             

ISSN 2448-1998