Cabeçalho da página

ETNOBOTÂNICA E ESTRUTURA POPULACIONAL DA MANGABEIRA (Hancornia speciosa Gomes) EM ASSENTAMENTO AGROEXTRATIVISTA, PIRAMBU, SERGIPE, BRASIL

Thaiane Natalle Moreira Lima, Débora Moreira de Oliveira Moura, Laura Jane Gomes, Anabel Aparecida de Mello, Robério Anastácio Ferreira

Resumo

No Estado de Sergipe, o único Projeto de Assentamento de Reforma Agrária da modalidade Agroextrativista – o PAE São Sebastião – localiza-se no município de Pirambu, o qual foi criado com foco na geração de renda, decorrente do extrativismo e venda dos frutos da mangabeira (Hancornia speciosa Gomes), da família Apocynaceae. O presente estudo foi realizado com o objetivo de investigar os moradores do PAE São Sebastião quanto ao conhecimento e às formas de manejo da espécie, bem como a estrutura populacional nos lotes produtivos. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e ferramentas do Diagnóstico Rápido Participativo (DRP) com 31 moradores do assentamento. A estrutura populacional foi avaliada por estágio de desenvolvimento e por classe de diâmetro, utilizando censo quali-quantitativo. Apesar dos moradores demonstrarem conhecimento sobre a espécie, observou-se a necessidade de desenvolvimento de padronização dos métodos de coleta e manejo ao contrário do que é feito atualmente, que não resulte na quebra de galhos e derrubada de flores. Foram registrados 1.154 indivíduos de mangabeira, resultando em uma densidade de 14,5 indivíduos por hectare. Aparentemente, a população de H. speciosa no PAE São Sebastião não está em crescimento, pois apresenta predominância de indivíduos distribuídos nas classes de diâmetro intermediárias, o que pode comprometer a continuidade da atividade extrativista dos frutos da referida espécie no PAE. 


Palavras-chave

Conservação; Extrativismo; Manejo Florestal; Mangaba; Produto Florestal Não Madeireiro


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/ethnoscientia.v0i0.10247

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ethnoscientia

             

ISSN 2448-1998