Cabeçalho da página

Ensaio sobre a noção de pessoa escravizada: Gestação de ingênuos, mães escravas e filhos cativos no período do ventre livre

Andreza Carvalho Ferreira

Resumo

Neste texto analiso a noção de pessoa livre e a noção de pessoa escrava tendo como contexto principal a Lei do Ventre Livre sancionada em 1871 no Brasil imperial. Antes da promulgação de tal Lei, os filhos e filhas de mulheres escravizadas, ao nascerem, eram imediatamente entendidos como “escravos”. A partir da Lei, as crianças nascidas de mulheres escravizadas nasciam como “ingênuas”, um sinônimo para livre. Apesar de a Lei não ter libertado efetivamente nenhuma criança, observo alguns efeitos cosmológicos de sua narrativa, como algumas mudanças relacionadas à noção de pessoa. 


Texto completo:

PDFV10N1


DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v10i1.5853



 © As/os autoras/es que publicam na Amazônica Revista de Antropologia (ARA) retêm os direitos autorais e morais de seu trabalho, licenciando-o sob a Licença Creative Commons Atribuição-No Derivative Works 3.0 Brasil que permite que os artigos sejam reutilizados e redistribuídos sem restrições, desde que o trabalho original seja citado corretamente.

Gerencia do Portal:

Luciléia Silva

Email: lucileia@ufpa.br

 

Creative Commons License
Amazônica - Revista de Antropologia da Universidade Federal do Pará é licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição-No Derivative Works 3.0 Brasil.

This is an open-access website under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Comercial License.
Based on a work at www.periodicos.ufpa.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica.