Cabeçalho da página

A escrita da história de Marajó, em Dalcídio Jurandir

Willi Bolle

Resumo

Dentre as dez obras do Ciclo do Extremo Norte (1941-1978), de Dalcídio Jurandir, focalizamos aqui o romance Marajó (1947), por ser o que contém a maior diversidade de informações sobre a cultura cabocla.

Esse romance semi documental é uma modalidade de escrita da história, ao mesmo tempo em que o seu componente ficcional, que inclui uma trama erótica, marca uma diferença. Na sociedade retratada são realçadas as relações de poder, que examinamos do lado dos senhores e do lado dos pobres, incluindo as formas de resistência destes. O episódio central da obra é um utópico projeto de melhoria social, empreendido pelo protagonista, o fi lho rebelde de um latifundiário. Com essa utopia social e a opção do romancista por essa figura de mediação entre ricos e pobres – no plano da ação narrada, como na tradução da cultura cabocla para o código do leitor culto – o romancista apresenta um tema que é relevante tanto para as ciências
sociais quanto para os estudos literários e culturais.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v14i1.598

Flag Counter

Print ISSN: 1516-6481 – Eletrônica ISSN: 2179-7536