Cabeçalho da página

A expansão do agronegócio no Brasil: as velhas práticas versus as novas práticas nas temporalidades geográficas

Alberto Pereira Lopes

Resumo


É resultado de reflexões nos fóruns geográficos, nas nossas pesquisas de campo em relação à expansão de uma agricultura pautada no agronegócio brasileiro, que tem expropriado camponeses de suas pequenas propriedades, gerando conflitos e despejo. O objetivo é explanar sobre a estrutura fundiária no Brasil constituída pela desigualdade social e econômica, gerada pela concentração de terra e pela exploração advinda, nos dias atuais, do agronegócio, um modelo de desenvolvimento agroexportador de grande escala de produtividade. A metodologia baseia-se em autores que discutem essa temática conforme referências apontadas, além de trabalho de campo na região norte do estado do Tocantins, onde a expansão da monocultura da soja tem sido bastante propulsora. Este aspecto demonstra que o Estado não contribuiu para uma perspectiva renovadora no que diz respeito à reforma da estrutura fundiária. Pelo contrário, o Estado se configura como instrumento decisivo de coordenação e ação de todas as formas econômicas, contribuindo para a solidificação da classe dominante.


Palavras-chave


Agronegócio; concentração; trabalhador; estrutura fundiária

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v20i1.3987


Flag Counter

Print ISSN: 1516-6481 – Eletrônica ISSN: 2179-7536