Cabeçalho da página

Novos usos e (re)construções da condição fronteiriça amapaense

Jadson Luís Rebelo Porto, Gutemberg de Vilhena Silva

Resumo

O processo de integração física entre países, assim como mecanismos de cooperação transfronteiriça institucionalizada, está se tornando cada vez mais frequente na América do Sul. Está claro que um dos grandes protagonistas nesse contexto é o Brasil, cuja política tem sido orientada para a implementação de obras estratégicas de envergadura internacional como os corredores bioceânicos, rodoviários e a já recorrente construção de pontes binacionais. Desde meados da década de 1990, a fronteira amapaense tem sido condicionada para uma série de transformações sociais, geográficas e infraestruturais, as quais indicam a construção de novos usos desse território. Essas transformações ampliaram as interações espaciais entre Brasil e França no contexto sul-americano, o que lança bases para novas análises da condição fronteiriça amapaense, reflexões para as quais este artigo visa contribuir. Em um primeiro momento são tecidas algumas considerações sobre a (re)construção da fronteira e da condição fronteiriça; no segundo, aborda-se a organização espacial amapaense e a reestruturação da condição fronteiriça; no terceiro, analisa-se o programa operacional Amazônia e a cooperação na fronteira franco-brasileira para a área de biodiversidade e pesquisa.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v12i2.325

Flag Counter

Print ISSN: 1516-6481 – Eletrônica ISSN: 2179-7536