Cabeçalho da página

Paradigmas sociológicos e categoria de gênero. Que renovação aporta a epistemologia do trabalho?

Helana Hirata, Danièle Kergoat

Resumo

A dimensão sexuada nas análises do trabalho está posta há cerca de trinta anos pela sociologia do trabalho francesa. Este artigo faz um balanço dessa integração conceitual e de aportes epistemológicas. Cabe inicialmente apresentar o estado da arte das rupturas conceituais e de sua periodização. Com efeito, as problemáticas que levam em conta as categorias de sexo tem uma história, que abriu a possibilidade de rupturas teóricas e epistemológicas maiores, notadamente com uma tradição da sociologia do trabalho francesa centrada sobre a figura arquétipica, universal, do operário da grande empresa industrial. O desafio teórico foi o de integrar as categorias de gênero no campo do trabalho retraduzindo métodos, enfoques, instituições constitutivas desta disciplina e instrumentos de trabalho. Procuramos demonstrar, a partir de uma revisão da produção científica das últimas décadas, os aportes trazidos pelas pesquisas que introduziram a perspectiva de gênero na análise dos objetos tradicionais da sociologia do trabalho. Pontuaremos algumas diferenças de caráter nacional, – notadamente européias – entre as maneiras que têm as sociologias do trabalho de integrar a relação social de sexo.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5801/ncn.v11i1.262

Flag Counter

Print ISSN: 1516-6481 – Eletrônica ISSN: 2179-7536